Design de Interiores: o guia completo!

Organizar um espaço de maneira estética e funcional não é uma tarefa tão simples quanto você pode imaginar. É um trabalho quase manual, de demanda um conhecimento profundo para conseguir desenvolver um projeto que alie beleza e funcionalidade.

O profissional responsável por essa tarefa é o designer de interiores, que se forma em Design de Interiores. E você, gosta desse tipo de assunto, quer saber mais sobre a profissão e como fazer do Design de Interiores a sua carreira? Então este guia completo é para você! Continue lendo para descobrir tudo isso e muito mais!

O que é Design de Interiores?

Oficializado no final dos anos 1990, o termo “Design de Interiores” formalizado pelos Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico – Área de Design, do Ministério da Educação e Cultura (MEC). Até então, essa área do conhecimento era chamada de “Decoração”, “Arquitetura de Interiores” ou mesmo “Design”.

Assim, podemos definir o Design de Interiores como o conhecimento necessário para compor e decorar ambientes internos por meio de técnica cenográfica e visual. Consiste, então, no planejamento e organização de espaços por meio da escolha de elementos do ambiente, dos móveis aos itens decorativos, buscando estabelecer uma harmonia estética e funcional.

Dessa forma, o profissional que antes era conhecido apenas como “decorador” passou a receber o título de designer de interiores, valorizando ainda mais a profissão, que funde conhecimentos de diversas áreas.

Curso de Design de Interiores

Hoje em dia é possível encontrar, no Brasil, cursos de Design de Interiores com dois tipos distintos de formação: bacharelado e tecnológico. Enquanto no primeiro o aluno entra em contato com diversas disciplinas que vão de áreas do conhecimento como Arquitetura, e até Design, durando cerca de 4 anos, na segunda opção a formação acontece com um viés mais prático e em menor tempo.

Para o bacharelado de Design de Interiores é possível encontrar faculdades que oferecem o curso com essa denominação ou, mais comumente, como uma especialização dentro do curso de Design.

O aluno entrará em contato, então, com disciplinas voltadas ao desenvolvimento de projetos, bem como a um vasto conhecimento teórico. Aulas de perspectiva e desenho são comuns no curso de Design de Interiores, além de atividades extracurriculares.

Já o curso tecnológico de Design de Interiores tem como foco a elaboração prática de projetos, bem como a realização de pesquisas de tendências e outras atividades mais voltadas à atuação no mercado de trabalho.

Ainda é possível encontrar cursos técnicos de Design de Interiores, nos quais os alunos estudam temas específicos e obtêm uma formação ainda mais prática que os cursos tecnológicos.

Duração do curso

Com duas possibilidades de graduação em Design de Interiores (tecnológico ou bacharelado), o estudante pode se formar em mais ou menos tempo, dependendo da sua escolha.

O curso tecnológico de Design de Interiores apresenta uma grade curricular mais enxuta, voltada para os conhecimentos técnicos, como desenho e desenvolvimento de ambientes. Por ser uma graduação mais prática, sua duração costuma ser de cerca de 4 semestres (ou dois anos).

Já o bacharelado em Design de Interiores oferece um conhecimento muito mais complexo, incluindo na formação do aluno disciplinas de planejamento e gestão de projetos, entre outros. Por isso, a duração desses cursos costuma ser de cerca de 8 semestres (ou quatro anos).

Por fim, os cursos técnicos, com formação mais simplificada, atendem a determinação do Ministério da Educação (MEC) e oferecem uma carga horária de cerca de 800 horas-aula, o que geralmente é cumprido entre seis meses e um ano.

Vale ressaltar que, no caso das especializações em Design de Interiores para o curso de Design, pode ser necessário que o aluno obtenha créditos em matérias optativas, de modo que sua carga horária aumente. Entretanto, isso dependerá da instituição de ensino.

sala design de interiores

Faculdade Design de Interiores

O RUF (Ranking Universitário Folha), um dos rankings mais respeitados do país, organiza as melhores faculdades de acordo com os critérios de avaliação de mercado e qualidade de ensino. Para a área de Design de Interiores, o ranking considera os seguintes cursos, agrupados na categoria de Design e Artes Visuais:

  • ABI – Artes Visuais;
  • ABI – Design;
  • Artes Visuais;
  • Artes Visuais – Design de Interiores;
  • Artes Visuais – Design Gráfico;
  • Comunicação Visual Design;
  • Decoração & Design;
  • Desenho;
  • Desenho e Plástica;
  • Desenho Industrial;
  • Desenho Industrial – Design Digital;
  • Desenho Industrial – Programação Visual;
  • Desenho Industrial – Projeto do Produto;
  • Design;
  • Design – Industrial;
  • Design de Ambientes;
  • Design de Animação;
  • Design de Games;
  • Design de Interiores;
  • Design de Produto;
  • Design Digital;
  • Design Gráfico;
  • Design Visual.

Como você pode perceber, o Ranking leva em consideração as variações do curso de Design de Interiores, como “Artes Visuais – Design de Interiores”, “Decoração e Design”, “Design de Ambientes” e, é claro, “Design de Interiores”.

Assim, dentro desse universo de possibilidades, as dez melhores faculdades para o curso de Design de Interiores, segundo o RUF 2018, são:

  • Universidade de São Paulo (USP);
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS);
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
  • Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG);
  • Universidade de Brasília (UNB);
  • Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP);
  • Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC);
  • Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ);
  • Universidade Estadual de Londrina (UEL);
  • Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Senac Design de Interiores

O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC oferece em diversas unidades espalhadas pelo país o curso técnico de Design de Interiores. No SENAC de São Paulo, por exemplo, o curso tem carga horária de 800 horas e a tem como pré-requisito de escolaridade mínima que o aluno esteja cursando o 2º ano do Ensino Médio.

No programa do curso, constam as seguintes áreas de estudo:

  • Representação gráfica do ambiente de forma manual (108 horas);
  • Representação gráfica do ambiente de forma assistida (108 horas);
  • Estruturação de projetos de design de interiores (108 horas);
  • Projetos design de interiores residenciais (108 horas);
  • Projetos design de interiores comerciais (72 horas);
  • Projetos design de interiores para pontos de vendas (96 horas);
  • Orientação a escolha de produtos e serviços de design de interiores (72 horas);
  • Planejamento e acompanhamento na execução de projetos de design de interiores (96 horas);
  • Projeto Integrador (32 horas).

Grade curricular Design de Interiores

A habilitação em Design de Interiores costuma ser parte do curso de Design na maioria das universidades e faculdades do Brasil. Muito mais abrangente, a graduação em Design oferece ao aluno a possibilidade de especialização em diversas áreas, entre elas a de Design de Interiores.

Por isso, para te dar uma ideia do que te espera no curso de Design de Interiores, trouxemos abaixo a grade completa do curso de Design da Universidade de São Paulo (USP), a instituição melhor classificada no Ranking Universitário Folha (RUF).

Disciplinas Obrigatórias

1º Período Ideal

  • História da Arte, da Arquitetura e suas Técnicas;
  • Linguagens Visuais;
  • Tipografia;
  • Fundamentos do Projeto: Experimentação e Materialidade;
  • Materiais e Processos de Produção I;
  • Técnicas de Visualização e Representação I.

2º Período Ideal

  • Fundamentos Sociais do Design;
  • História do Design I;
  • Laboratório da Imagem;
  • Estratégias Analógicas de Projeto;
  • Modelos e Protótipos em Design;
  • Materiais e Processos de Produção II;
  • Técnicas de Visualização e Representação II.

3º Período Ideal

  • História do Design II;
  • Introdução ao Projeto Visual;
  • Introdução ao Design de Serviços;
  • Introdução ao Projeto de Produto;
  • Metodologia de Projeto em Design;
  • Consumo na Contemporaneidade.

4º Período Ideal

  • História do Design III;
  • Projeto Integrado;
  • Produção Gráfica;
  • Linguagem Computacional;
  • Ergonomia I.

5º Período Ideal

  • Projeto Visual V – Design em Movimento;
  • Projeto de Produto V – Transporte;
  • Usabilidade e Desempenho;
  • Teorias do Signo;
  • Gestão de Marcas;
  • Ergonomia II.

6º Período Ideal

  • História do Design IV;
  • Projeto Visual VI – Interfaces Digitais;
  • Tecnologia da Cor em Design;
  • Projeto de Produto VI -Transporte;
  • Design de Embalagem;
  • Projeto e Engenharia do Produto IV;
  • Materiais e Processos de Produção III;
  • Projeto e Engenharia do Produto III.

7º Período Ideal

  • Cultura Urbana na Contemporaneidade I;
  • Projeto de Arquitetura;
  • Projeto Visual VII – Ambiente/Edifício;
  • Projeto de Produto VII – Edifício;
  • Design, ambiente e sustentabilidade;
  • Design para a Comunicação;
  • Materiais e Processos de Produção IV.

8º Período Ideal

  • Cultura Urbana na Contemporaneidade II;
  • Projeto Urbano;
  • Projeto Visual VIII – Ambiente/Cidade;
  • Projeto de Produto VIII – Cidade;
  • Legislação, Normas e Ética Profissional;
  • Textos Comunicacionais;
  • Práticas Audiovisuais;
  • Gestão de Projetos em Design.

9º Período Ideal

  • Atividades Complementares em Design;
  • Trabalho de Conclusão de Curso I.

10º Período Ideal

  • Trabalho de Conclusão de Curso II.

Disciplinas Optativas Eletivas

2º Período Ideal

  • Espaços Expositivos e Modelos Curatoriais: Debates do Século 21;
  • Arquitetura Moderna no Brasil.

3º Período Ideal

  • História das Artes e de Suas Técnicas;
  • Fundamentos de Computação II.

6º Período Ideal

  • A Função Poética da Linguagem da Arquitetura e do Design e a Cultura Brasileira.

7º Período Ideal

  • Tópicos de Design para Ambientes Digitais: Informação, Interface, Interação, Ação e Colaboração;
  • Experimentação como Procedimento de Projeto: Materialidades e Espacialidades;
  • Teorias das Mídias.

8º Período Ideal

  • Linguagens Gráficas;
  • Cascos e Cascas – Representação de Projeto para Embarcações e Abrigos;
  • Design, Cultura e Materialidade;
  • Matemática, Arquitetura e Design.

9º Período Ideal

  • Design: História e Projeto;
  • Design Audiovisual: Animação e Artes do Vídeo;
  • Questões Históricas e Contemporâneas do Design;
  • Aspectos Conceituais e Estéticos do Design de Interface;
  • Procedimentos e Problemas: as Relações entre os Projetos do Edifício e do Objeto na Arquitetura Moderna e Contemporânea;
  • Design de Alcance Sociocultural;
  • Design de Tipos;
  • Processos de Criação e Design Visual;
  • Crítica do Design;
  • Metodologia de Projeto de Design;
  • Design para o Mundo Real;
  • Design de Brincadeiras e Brinquedos;
  • Teoria do Design;
  • Desenho Paramétrico e Fabricação Digital;
  • Tecnologia de Computação Gráfica.

10º Período Ideal

  • Design e Programação de Games.

Nota de corte Design de Interiores

A principal maneira para conseguir uma vaga no ensino superior no Brasil é, atualmente, o Sisu por meio da nota do Enem. Por isso, listamos abaixo as quatro notas de corte para o curso de Design de Interiores em faculdades de todo o país.

Vale ressaltar que foram registrados apenas quatro cursos de Design de Interiores pelo portal. Entretanto, a título de comparação, listamos também as dez maiores notas de corte para o curso de Design, pelo qual é possível obter a especialização em Design de Interiores.

Quatro maiores notas de corte de Design de Interiores

  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP – Campus Jacareí) – Matutino: 678 pontos;
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (Campus Santa Luzia) – Noturno: 668 pontos;
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (Campus João Pessoa) – Matutino: 652 pontos;
  • Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (Campus E, Polo UAB – Maceió) – Noturno: 644 pontos.

Dez maiores notas de corte de Design

  • Universidade Federal de Santa Catarina (Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima) – Integral: 728 pontos;
  • Universidade Federal de Minas Gerais (Escola de Arquitetura) – Noturno: 713 pontos;
  • Universidade Federal de Santa Catarina (Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima) – Integral: 711 pontos;
  • Universidade Federal do Ceará (Campus Fortaleza) – Integral: 711 pontos;
  • Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG (Escola de Design – Campus de Belo Horizonte) – Matutino: 707 pontos;
  • Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG (Escola de Design – Campus de Belo Horizonte) – Noturno: 704 pontos;
  • Universidade Tecnológica Federal do Paraná (Campus Curitiba – Sede Centro) – Integral: 701 pontos;
  • Universidade Federal do Amazonas (Unidade Sede) – Integral: 700 pontos;
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Faculdade de Arquitetura – Campus Centro) – Integral: 700 pontos;
  • Universidade Federal de Uberlândia (Campus Santa Mônica – Reitoria) – Integral: 694 pontos.

Design de Interiores a distância

O ensino a distância é uma modalidade de ensino que dá flexibilidade ao aluno para que ele estude de acordo com a disponibilidade de sua agenda, encaixando as aulas teóricas online nos seus melhores horários. Nesse tipo de curso, a presença

No caso de Design de Interiores, as faculdades oferecem o curso na modalidade superior tecnológico, com duração de cerca de 2 anos. Nesse tipo de curso, é necessário que o aluno frequente o polo de apoio da faculdade pelo menos uma vez por semana, principalmente por conta das aulas práticas.

Lembre-se que, na hora de escolher a instituição para a sua formação em Design de Interiores EAD, é crucial conferir se ela é reconhecida pelo MEC. Se sim, o diploma terá a mesma validade no mercado de trabalho que o de um curso presencial.

quarto design de interiores

Estágio Design de Interiores

O estágio em Design de Interiores pode ser realizado de forma autônoma, por meio de motivação do próprio aluno, que busca por vagas na área. Além disso, vale a pena verificar se a faculdade escolhida tem algum tipo de parceria com empresas da área, como programas de estágio específicos que atendem as demandas da coordenação pedagógica do curso.

Assim como em qualquer área do conhecimento, o estágio é uma atividade fundamental para que o aluno entre contato com o mercado de trabalho, conhecendo o dia a dia do profissional e as diferentes tarefas que envolvem a sua atuação.

Além disso, estágio é uma ótima oportunidade de inserção no mercado de trabalho, uma vez que muitos estagiários são efetivados quando terminam sua graduação.

Pós-graduação em Design de Interiores

Os programas de pós-graduação em Design de Interiores estão disponíveis para todos aqueles profissionais formados em áreas análogas, como Artes Plásticas, Arquitetura e Urbanismo, Design, Engenharia, entre outros.

As especializações são oferecidas, geralmente, na titulação lato sensu e variam entre as modalidades presencial, semipresencial e a distância.

Uma pós-graduação em Design de Interiores tem como objetivo oferecer a educação continuada ao profissional, de forma que ele possa se especializar e, também, criar novas oportunidades, como a docência no ensino superior.

O profissional de Design de Interiores

O profissional de Design de Interiores é o chamado designer de interiores. É fundamental entender essa diferença para não “pagar mico” no futuro. Lembre-se que “Design de Interiores” é a área onde o “designer de interiores” trabalha. Por isso, é errado dizer que “sou design de interiores” ou “trabalho com designer de interiores”.

Assim, o designer de interiores é o profissional responsável por projetar espaços de forma harmoniosa estética e funcionalmente. Sua atuação agrega o conhecimento de engenheiros e arquitetos, o bom senso estético e o olhar técnico do designer.

Perfil do profissional

Assim como qualquer outra profissão que demanda criatividade do profissional, o designer de interiores precisa se manter atualizado de acordo com as tendências, principalmente porque sua atuação carrega uma responsabilidade estética muito grande.

Dessa forma, o profissional de Design de Interiores precisa apresentar, entre outras características:

  • facilidade na recriação de ambientes residenciais, comerciais e outros;
  • gostar de desenhar;
  • ser organizado;
  • ter bom raciocínio lógico;
  • se interessar por áreas como arquitetura, paisagismo e iluminação;
  • valorizar e saber usar cores e suas combinações.

Além de todas essas características, é fundamental que o profissional apresente um conhecimento técnico aguçado, sabendo quais são e como devem ser usados os diversos materiais disponíveis no mercado, além de ter um embasamento sólido na combinação deles.

Como trabalha diretamente com outras pessoas, na maioria clientes diretos, o designer de interiores precisa saber interpretar corretamente os pedidos e demandas de seus clientes, conduzindo o trabalho por meio de uma boa relação.

Por conta disso, é esperado que o profissional tenha boas habilidades de comunicação, sendo capaz de apresentar, justificar e defender suas escolhas nos projetos desenvolvidos.

Design de Interiores: salários

Por ser uma área onde a atuação se dá de maneira bastante diversa, seja em escritórios, agências ou mesmo de modo autônomo, os salários também variam muito.

Dessa forma, os pagamentos para um designer de interiores variam de acordo com a sua experiência no mercado, o tamanho do projeto e até mesmo a cidade onde o profissional atua.

De maneira geral, a média salarial para a área de Design de Interiores, no Brasil, é de R$ 1.500. Entretanto, esse é um valor que não corresponde exatamente à realidade da profissão, uma vez que, segundo a Escola de Arte e Design de São Paulo – ABRA, é possível que um designer de interiores ganhe, no início de sua carreira, entre R$ 4.000 e R$ 6.000 por mês.

Fato é que raramente os salários para essa profissão serão fixos, variando de acordo com o projeto trabalhado no momento. É muito comum que o mercado de Design de Interiores remunere o profissional de acordo com a metragem do espaço trabalhado. Ou seja, quanto maior for o ambiente no qual se desenvolverá o projeto, maior será a remuneração do designer.

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho para a área de Design de Interiores encontra-se em pleno crescimento no Brasil, principalmente com a expansão da atuação para ambientes comerciais e outros empreendimentos.

Via de regra, esse mercado flutua de acordo com o mercado da construção civil, sendo acompanhado também pela disponibilidade de projetos de arquitetura. Ou seja, se esses mercados estão aquecidos, surgem mais oportunidades para os profissionais de Design de Interiores.

O designer de interiores pode trabalhar em escritórios de arquitetura, design ou paisagismo, garantindo assim a segurança de um rendimento mensal. Entretanto, o mais comum é que esse profissional atue de maneira autônoma, o que garante o controle da própria rotina e uma renda variável.

No Brasil, as regiões Sul e Sudeste são as que mais contratam designers de interiores. Entretanto, é bom ficar de olho para outros estados, uma vez que a área do turismo corresponde a um mercado extremamente forte nesse sentido, principalmente no Nordeste, que conta com uma grande quantidade de hotéis e pousadas.

Em franco crescimento no país, o curso de Design de Interiores é uma ótima opção para aquelas pessoas que têm afinidade não apenas com a decoração de ambientes, mas também sabem combinar cores, formas e elementos, tornando espaços mais agradáveis e funcionais.

Se você se considera uma pessoa de bom gosto estético e tem vontade de trabalhar como designer de interiores, saiba que existem ótimas faculdades prontas para te receber e fazer com que você amplie o seu conhecimento na área, se preparando ainda mais para fazer do Design de Interiores uma carreira de muito sucesso!

Por isso, não se esqueça também de conferir o nosso plano de estudos. Com ele, você organiza o seu tempo de estudos e aumenta as suas chances de se dar bem no Enem e conseguir a tão sonhada vaga na universidade!